26/10/2015

Julgue-me se for capaz

Imagine que pra cada vez que você falasse mal de uma pessoa, você perdesse um dia de vida. Cada vez que você julgasse sem fundamentos, uma semana. Cada vez que você odiasse alguém, um mês. E a cada agressão, verbal ou física, um ano. Quanto tempo de vida você ainda tem?

Por causa dos outros, passei a medir minhas atitudes e lembrei a mim mesma que eu já julguei, já odiei e já fofoquei, mas decidi que agora quero viver em paz. Viver sabendo que dei a chance para as pessoas.  Quero ter a consciência de que não às medi sem antes conhecer profundamente e mesmo assim... 

Queria MESMO que meus colegas de vida lessem isso e não pensassem: “Af, indireta pra mim.” porque isso é MESMO uma indireta direta porém, pra todos vocês. Também não quero que pensem “Nossa, mas ela é isso e isso, não tem direito disso e disso.”. Apenas lembre-se que estamos aqui pra aprender e que eu já errei e sou completamente imperfeita, mas nesse assunto, em especial, estou me dedicando para mudar radicalmente a partir de HOJE (anota a data aí).

Não é legal conviver todos os dias com pessoas que te medem da cabeça aos pés, que tem uma imagem pré-conceituada e que nem te dão uma oportunidade de reverter isso. Nunca se sentaram com você e perguntaram da sua vida. Não sabem de “onde” você veio e o que te trouxe para o aqui e o agora. Não sabem seus sofrimentos. Não sabem sua linha de pensamento...

Pré conceito tá no piloto automático do ser humano, mas mudar a primeira impressão de algo ou alguém vai da vontade de cada um.

Você tem o direito de desgostar de quem quiser, mas imagina que legal não perder tempo com isso? Ou então, imagina que legal tentar entender porque seu santo não bate com fulano e pedir uma conversa pra conhecer a trajetória dele? Você ganharia um “inimigo” a menos e quem sabe um amigo a mais...

Dizem que ódio é gratuito, mas NÃO é! Lembre-se que: “Ódio é o veneno que você toma querendo que o outro morra.” Eai, quanto tempo de vida você ainda tem?

8 comentários:

  1. Melhor comentário "Ódio é o veneno qie você toma querendo que o outro morra." Ai. Agatita, como é bom ouvir sua voz de novo! Já disse hoje que amo esse blog? Porque amo! E amo você também, obrigada por compartilhar essa reflexão, com mais amor a gente não apenas vive mais dias, vive melhor.
    Beijo grande, flor!

    ResponderExcluir
  2. Oi Ágata, ótimo texto. Também adotei essa postura para minha vida há alguns anos, e vale a pena. O segundo passo é saber lidar com os julgamentos que continuarão a vir, mas sair ilesa deles. Já estou aprendendo isso também :)

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oie Ágata, eu gostei muito do seu texto e concordo com seu pensamento. Não acho que devemos julgar as pessoas sem antes ter uma opinião formada. Mas discordo que temos que conhecê-las profundamente, porque alguns ideais que temos são fáceis se serem encontrados ou não em algumas pessoas. O tempo que precisamos conhecê-las para moldar nossas opiniões, é bem relativo. ♥ adorei.

    www.acessopermitido.com

    ResponderExcluir
  4. Olá Ágata.
    Bom texto, muito reflexivo, agora, acredito que haja muitas coisas intrínsecas a natureza humana e infelizmente a maior parte delas é ruim. Competição, as vezes até por quem está mais na pior, ou então o preconceito, acho que nenhum de nós está livre dessas coisas, o máximo que podemos fazer e buscar nos atentar e evitar cometer esses erros o máximo possivel.
    Eu me julgo existencialista de uns tempos pra cá e quantas vezes eu já não agi contra esses princípios, mas vou tentando melhorar, todo dia. Acho que isso é o ideal...
    bjos LP
    quatroselos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. UAU! Nunca tinha parado pra pensar naquilo que você disse no inicio do post. Cá entre nós, acho que eu já teria morrido há muito tempo. Não é uma resposta bonita, mas é a verdade...
    Comecei a ter uma mente mais aberta há pouco tempo, só lá pela metade de 2014 eu me perguntei se as minhas certezas eram tão certas assim e a razão pela qual aquilo que eu pensava era sempre o certo. Me dei de conta que a errada era eu. Tenho um pouco de vergonha de falar disso. Eu não era uma boa pessoa. Por isso entendo o que você disse. Enquanto a gente quer viver em paz, a figura de quem a gente foi permanece fresca na mente das pessoas, que podem achar que tudo não passa de fingimento ou hipocrisia. É o preço, né? Espero que com o tempo cada coisa fique em seu lugar e elas se deem de conta da mesma coisa que nós.
    Gostei demais do seu texto. Não sei se já te disse, mas gosto muito do seu blog <3
    Beijos procê!

    {acancaodosilencio.blogspot.com.br}

    ResponderExcluir
  6. Olá que texto fodástico,Ágata!
    Acho que todo mundo já julgou algo ou alguém pelo menos uma vez na vida, mas fazer isso sempre e continuamente sem se tocar é a morte né?
    Sempre fui de ter mente abertas mas ainda julgava. Hoje é raro eu julgar alguém ou algo, quando vejo as pessoas fazendo isso me sobe uma raiva interna. rs


    Tem sorteio de livro rolando no meu blog, participe!
    http://goo.gl/i03FzM

    ResponderExcluir
  7. Arrasou Ágata! Amei o texto, palavras super verdadeiras. Uff espero ter muitos dias de vida e realmente deveriamos aproveitá-los mais nos importando mais com a nossa vida e menos em opinar, julgar e condenar os outros.

    Beijokas e boas festas !!

    naprateleiradealice.blogspot.com.ar

    ResponderExcluir
  8. Sou ilha perdida dentro de outra ilha
    Filhos de um Deus que nos torna pequenos
    Talvez sejas a fonte da minha saciação
    Talvez esteja aprisionado este pobre coração

    Esta minha insaciável sede para um regresso
    Porque me perdi
    Entre a frieza dos homens
    Alimentei a alma de Ti

    Bom fim de semana

    Beijinho

    ResponderExcluir